Bruno de Carvalho suspende equipa técnica

O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, decidiu suspender a equipa técnica liderada por Jorge Jesus na sequência da reunião desta tarde em Alvalade, avança o jornal A Bola. De acordo com a informação veiculada, Bruno de Carvalho suspendeu Jorge Jesus e a equipa técnica do Sporting a uma semana da final da Taça de […]

Autor: Vítor Santos | 14 de Maio de 2018

O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, decidiu suspender a equipa técnica liderada por Jorge Jesus na sequência da reunião desta tarde em Alvalade, avança o jornal A Bola.

De acordo com a informação veiculada, Bruno de Carvalho suspendeu Jorge Jesus e a equipa técnica do Sporting a uma semana da final da Taça de Portugal frente ao Desportivo das Aves.

O jornal ‘Diário de Notícias’ avança na sua edição online que os jogadores se colocaram ao lado do treinador e ameaçam não comparecer na final da Taça de Portugal frente ao Desportivo das Aves, este domingo, se Jorge Jesus for suspenso.

Segundo o referido jornal desportivo, esta foi a única decisão conhecida da reunião de hoje em Alvalade entre Bruno de Carvalho, Jorge Jesus e alguns jogadores do plantel.

O jornal O Jogo diz mesmo que Jesus está proibido de dar o treino desta terça-feira. Avança o mesmo jornal que o Sporting pretende rescindir o contrato com o técnico, alegando justa causa.

De recordar que Bruno de Carvalho manteve várias reuniões em Alvalade esta segunda-feira, após a derrota na Madeira que deixou o Sporting sem os milhões da ‘Champions’. O líder leonino reuniu-se com a equipa técnica liderada por Jorge Jesus e mais tarde com os jogadores.

À saída de Alvalade, Bruno de Carvalho disse à comunicação social que que não suspendeu a equipa técnica, recusando comentar a permanência de Jorge Jesus como treinador da equipa de Alvalade.

Jesus deixou Alvalade, longe dos holofotes dos jornalistas, para fugir as perguntas. A seguir Jaime Marta Soares que falou à imprensa mas sem adiantar muito. O presidente da Assembleia-geral do Sporting apenas disse que os problemas do clube estavam a ser resolvidos, mas sem adiantar pormenores.

Mais tarde saíram os jogadores, um a um, também sem prestarem declarações, apesar da insistência dos jornalistas presentes em Alvalade, que procuravam esclarecimentos e novidades sobre a reunião.

Este é mais um episódio de uma época desgastante para o Sporting, que culmina numa ‘guerra’ entre o presidente Bruno de Carvalho contra a equipa principal de futebol e a equipa técnica.

A relação entre o presidente e os jogadores já estava deteriorada desde o início do mês passado. De recordar que a 5 de abril, quinta-feira, Bruno de Carvalho criticou as exibições de alguns jogadores do Sporting, na derrota com o Atlético Madrid no Wanda Metropolitano, com palavras muito duras. No dia seguinte 19 jogadores do plantel, entre os quais Rui Patrício, William Carvalho, Fábio Coentrão, Coates, Gelson Martins e Bruno Fernandes, divulgaram um comunicado em que manifestaram “desagrado” com as críticas do presidente do clube.

Em resposta, Bruno de Carvalho partilhou um texto no Facebook, visível para os seus amigos na rede social, em suspendia os jogadores que subscreveram um comunicado e fazia saber que teriam de enfrentar a disciplina do clube.

Dois dias depois, o treinador da equipa, Jorge Jesus, afirmou que os futebolistas não receberam qualquer nota de suspensão por parte do clube e garantiu que Bruno de Carvalho lhe deu “liberdade para convocar os jogadores” que entendesse para o jogo de domingo com o Paços de Ferreira, da 29.ª jornada da I Liga de futebol, o que aconteceu, com os ‘leões’ a vencerem por 2-0.

Antes do encontro, Bruno de Carvalho voltou a colocar um ‘post’ no Facebook a criticar os futebolistas, afirmando que “serão mantidos os processos disciplinares” aos jogadores, que mancharam “o bom nome do presidente e do clube”.

Mais tarde, já depois de abandonar o facebook, o presidente do Sporting aceitou retirar os processos disciplinares aos jogadores do plantel leonino que reagiram nas redes sociais às suas críticas de forma a salvaguardar “os superiores interesses” do clube de Alvalade.

Durante essa ‘guerra’ com os jogadores, Jesus manteve-se sempre ao lado dos seus atletas e foi um intermediário entre o presidente e a equipa principal de futebol. O técnico fez questão de lembrar que os jogadores são o património de um clube em várias ocasiões.

Deixe o seu comentário