Cerca de 1.700 padres pedófilos sem serem fiscalizados - Mtv noticias: MTV24

Cerca de 1.700 padres pedófilos sem serem fiscalizados

Mais um escândalo na Igreja Católica. Cerca de 1.700 padres com comprovados abusos de menores sem serem fiscalizados

Uma investigação da agência noticiosa Associated Press concluiu que cerca de 1.700 padres e outros membros do clero acusados de abusos sexuais infantis vivem “com pouca ou nenhuma supervisão” das autoridades, décadas após o escândalo na Igreja Católica.

Segundo a AP, esses padres, diáconos, monges e leigos agora ensinam matemática no ensino secundário, aconselham as vítimas de agressão sexual, trabalham como enfermeiros e são voluntários em organizações sem fins lucrativos destinadas a ajudar crianças em risco, moram perto de infantários e creches e cuidam de crianças.

E desde que deixaram a igreja, dezenas cometeram crimes, incluindo agressão sexual e posse de pornografia infantil, segundo a análise da AP.

Um recente esforço das dioceses católicas romanas nos EUA para publicar os nomes daqueles que considera acusados abriu uma janela para o assustador problema de como monitorizar e rastrear padres que muitas vezes nunca foram acusados criminalmente e, em muitos casos, foram expulsos ou deixaram a igreja para viver como cidadão livres.

Cada diocese determina seu próprio padrão para considerar um padre acusado com credibilidade, com alegações que variam de conversas inadequadas e abraços indesejados a sodomia e estupro forçado.

Até agora, dioceses e ordens religiosas compartilharam os nomes de mais de 5.100 membros do clero, com mais de três quartos dos nomes divulgados apenas no ano passado.

A AP pesquisou os quase 2.000 que permanecem vivos, para determinar onde moraram e trabalharam – a revisão em maior escala até o momento do que aconteceu aos padres nomeados como possíveis agressores sexuais.

Além dos quase 1.700 que a AP conseguiu identificar como amplamente não supervisionados, existiram 76 que não puderam ser localizadas.

Alguns membros do clero foram detetados com algum tipo de supervisão, outros na prisão ou supervisionados por programas da igreja.

A análise constatou que centenas de padres ocupavam cargos de confiança, muitos com acesso a crianças.

Mais de 160 continuaram a trabalhar ou sendo voluntários em igrejas, incluindo dezenas em dioceses católicas no exterior ou noutras regiões.

Aproximadamente 190 obtiveram licenças profissionais para trabalhar em educação, medicina, assistência social e aconselhamento – incluindo 76 que, em agosto, ainda possuíam credenciais válidas nesses campos.

Deixe o seu comentário
Publicado por Vítor Santos em 4 de Outubro de 2019 | 20:32

Siga-nos através das redes sociais

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE