Conselho Nacional: Rio perde em toda a linha

Conselho Nacional PSD rejeita proposta de rui Rio de suspender calendário eleitoral interno até depois da votação do Orçamento do Estado

Rui Rio - PSD
Autor: Vítor Santos | 15 de Outubro de 2021

O Conselho Nacional do PSD rejeitou a proposta da direção para adiar a marcação do calendário interno para depois da votação do Orçamento do Estado.

Segundo relatos feitos à Lusa, o requerimento foi rejeitado com 71 votos contra, 40 a favor e 4 abstenções.

Com este ‘chumbo’ irá a votos a proposta inicial da direção enviada na quarta-feira a meio da tarde aos conselheiros nacionais que previa diretas em 04 de dezembro (com eventual segunda volta no dia 11) e Congresso entre 14 e 16 de janeiro.

Caso este cronograma também seja rejeitado, irá a votos uma segunda hipótese enviada pela direção: diretas em 08 de janeiro e congresso entre 04 e 06 de fevereiro.

Presidente do PSD preocupado

 O presidente do PSD manifestou-se “bastante preocupado” com a decisão do Conselho Nacional não suspender o calendário eleitoral interno, admitindo que o ‘chumbo’ da sua proposta será “um parâmetro na equação” de se recandidatar à liderança.

À saída de um Conselho Nacional (CN) de cinco horas, Rui Rio lamentou que “uma maioria significativa” deste órgão tivesse votado pela marcação imediata de diretas e Congresso, ao contrário do que defendeu na quarta-feira à noite, devido à ameaça de um ‘chumbo’ do Orçamento e de uma crise política.

“Neste momento, o PSD está totalmente nas mãos do entendimento que possa haver ou não entre PS, PCP e BE (…). Se as negociações falharem e tivermos eleições antecipadas, o PSD está numa situação dificílima e os nossos adversários numa situação muito mais fácil do que estariam se tivesse havido uma responsabilidade que a maioria do CN não teve”, afirmou.

Questionado sobre se a derrota da sua proposta de apenas marcar eleições depois do Orçamento votado (com 71 votos contra, 40 a favor e 4 abstenções) pesará na decisão de se recandidatar, Rio admitiu que sim.

“É um parâmetro da equação (…). Agora vou fazer a equação, e depois vou ver: X1, X2 e depois vou tirar a média”, afirmou, despedindo-se em tom bom disposto com um “adeus” aos jornalistas.

Antes, recusou responder a qualquer pergunta sobre o anúncio da candidatura de Paulo Rangel à liderança, feito durante o Conselho Nacional, dizendo que todos os militantes são livres de o fazer agora que está aberto o período eleitoral.

Ainda assim, deixou uma farpa, dizendo que sempre defendeu que “as coisas têm o seu tempo”.

“Gosto de fazer isto com ética e com regras, havia um tempo das autárquicas, não andava aí a colher apoios para as diretas”, afirmou, dizendo não estar a criticar ninguém “diretamente”.

Sobre vazios de poder que se podem abrir no partido em caso de uma eventual crise política, respondeu que “o presidente do PSD chama-se Rui Fernando da Silva Rio”.

“Foi eleito e está lá até haver um Congresso em que tome posse outro. Ou o mesmo”, frisou.

Questionado se ficou desiludido hoje com o PSD, Rio admitiu ter ficado “bastante preocupado”.

“Nunca vi na história do PSD o partido correr um risco desta dimensão, colocar-se numa situação de completa fragilidade”, alertou.

PSD não pode ser mais o partido da espera

O eurodeputado Paulo Rangel anunciou hoje a sua candidatura à liderança do PSD perante o Conselho Nacional, dizendo que o partido tem de deixar de ser “da espera” e passar a ser “da esperança”.

“Não podemos ser mais o partido da espera, da espera em cair de maduro. Temos de ser o partido da esperança”, afirmou, de acordo com relatos de conselheiros nacionais presentes na reunião à porta fechada.

“Que o dia 4 de dezembro represente a fecundação do partido que seja capaz de criar esperança”, afirmou, dizendo que muito brevemente apresentará publicamente a candidatura.

As eleições diretas do PSD foram hoje marcadas para 04 de dezembro e o Congresso vai realizar-se entre 14 e 16 de janeiro, em Lisboa.

Leia também