Estado da nação: um PS de narrativas enganadoras

Estado da nação: Iniciativa Liberal acusa PS de narrativas enganadoras por ter medo do fim de ciclo político

Autor: Horta e Costa | 21 de Julho de 2021

O deputado da Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo, acusou hoje o Governo socialista de ter medo de um “fim de ciclo político” e por isso promover “narrativas enganadoras” como o PS como campeão do desconfinamento e do crescimento.

No primeiro pedido de esclarecimento do partido ao primeiro-ministro, António Costa, o deputado liberal considerou queo debate do estado da nação estava a ser “uma autêntica sessão de propaganda do Governo e da bancada do PS”, elencando um “conjunto de narrativas” e assumindo que estava a recorrer a uma “palavra socrática”.

“O senhor deputado é efetivamente um personagem com uma narrativa de si próprio e eu de facto não tenho condições de debater consigo sobre medidas restritivas porque me recordo e tenho apontado tudo o que me disse sobre medidas restritivas em cada um dos momentos onde foi mesmo preciso dar a cara para tomar decisões e lembro-me bem o que é que disse e, portanto, estamos entendidos”, respondeu António Costa em menos de 30 segundos.

Cotrim Figueiredo considerou que “todos sentem que há uma mudança de ciclo”, certamente de ciclo económico porque vai começar a retoma e certamente ciclo social porque a pandemia há de acabar.

“Mas o PS tem medo que corresponda também a um fim de ciclo político e então faz tudo para se agarrar e promove mais duas narrativas particularmente enganadoras e particularmente desinformativas”, criticou o liberal.

Segundo o deputado da Iniciativa Liberal, a primeira narrativa é “de que o PS vai ser o campeão do desconfinamento”.

“O senhor primeiro-ministro anunciou que até ao fim do verão vamos entrar em libertação total. O partido que durante meses veio aqui à Assembleia da República defender estados de emergência, com poderes excessivos, desnecessários, limitadores das liberdades individuais e o partido que mesmo depois dos estados de emergência continuou a aplicar medidas restritivas que ainda hoje não fazem sentido, em vez de anunciar libertações imediatas para daqui a uma ou duas semanas, está a anunciá-las para provavelmente uma ou duas semanas antes das eleições autárquicas”, criticou, apelidando esta narrativa de “o eleitoralismo tem limites”.

A segunda narrativa, de acordo com Cotrim Figueiredo, é que o “PS vai ser o campeão do crescimento”.

“É quase cómico que o partido que há mais tempo governa em Portugal durante um período em que Portugal foi ultrapassado sucessivamente e entrou em declínio relativo em relação aos seus parceiros europeus venha agora aqui arvorar-se em campeão do crescimento”, criticou.

Leia também