Finlândia e Suécia vão pedir adesão à Nato

A ex-Presidente da Finlândia, Tarja Halonen, disse hoje na Cidade da Praia, que o seu país e a Suécia “vão pedir a adesão à NATO” na Primavera

Tarja Halonen
Autor: Horta e Costa | 4 de Maio de 2022

“Penso que é muito óbvio que tanto a Suécia como a Finlândia vão pedir a adesão à Nato na Primavera. Penso que é mais que certo”, afirmou numa conferência de imprensa na capital cabo-verdiana.

Tarja Halonen, que se encontra em Cabo Verde numa visita de trabalho a convite da Associação Cabo-verdiana de Luta Contra a Violência Baseada no Género e no âmbito do projeto “Djuntu pa Igualdadi” (Juntos pela Igualdade), acrescentou que finlandeses e suecos apoiam a adesão à Aliança Atlântica.

“A Suécia tem grande tradição como país não-alinhado, como nós. É verdade que ao nível da União Europeia temos integrado missões de manutenção de paz e temos trabalhado também com a Nato nessa matéria. Considerando a nossa política nacional de defesa até agora não pensamos que precisaríamos de algo mais do que uma parceria com a Nato”, disse.

“Agora com a guerra na Ucrânia, o povo da Finlândia e também da Suécia estão praticamente convencidos de que precisamos” de aderir à Nato, vincou Tarja Halonen, que é membro do World Leadership Alliance-Club de Madrid.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais de 13 milhões de pessoas, das quais mais de 5,5 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia também