Funcionário que quis vender liberdade a Rendeiro

Funcionário judicial sul-africano tentou vender liberdade a Rendeiro. Defesa do ex-banqueiro apresenta queixa contra este funcionário

João Rendeiro
Autor: Horta e Costa | 15 de Dezembro de 2021

A equipa de defesa de João Rendeiro disse hoje ter apresentado queixa contra um funcionário judicial que a troco de dinheiro lhe garantia a aprovação da liberdade sob caução do ex-banqueiro por parte do magistrado que dirige o caso.

“Não estamos a pedir a sua recusa nesta fase”, disse o advogado Sean Kelly ao magistrado sul-africano Rajesh Parshotam logo no início da sessão de hoje – em que defesa e acusação expuseram argumentos a favor e contra a libertação sob caução, acrescentando: “Sabemos que não está envolvido”.

“É de facto chocante que estas cosas aconteçam”, reagiu Parshotam, agradecendo à equipa de defesa por denunciar o caso.

“Obviamente, a polícia vai investigar a referida pessoa e tomar as medidas necessárias”, concluiu.

Sean Kelly leu a partir do telemóvel a mensagem que a sua advogada instrutora, June Marks, disse ter recebido.

O autor identifica-se como Sifiso, funcionário do tribunal de magistratura de Pinetown, arredores de Durban.

“Venho em nome do ‘seu’ juiz, para manter as coisas profissionais entre vós: face à pressão do governo para deter o vosso cliente, esta é a única tábua de salvação que ele tem e fiquem contentes de estar em Durban”, disse.

“Na cidade, quem tem dinheiro suficiente, pode abrir o seu caminho”, acrescentou, concluindo a mensagem.

“A minha advogada [instrutora], June Marks, disse que ia aprestar queixa à polícia”, referiu, sustentando que a colega “tinha o dever de informar a procuradoria”, o que também já tinha feito.

O procurador na sala, Naveen Sewparsat, não levantou objeções à exposição do advogado de Rendeiro, que ficou registada que ocupou três minutos e meio no início da sessão e ficou encerrado.

O magistrado Rajesh Parshotam vai anunciar na sexta-feira às 09:00 (menos duas horas em Lisboa) a decisão sobre o pedido de liberdade sob caução do ex-banqueiro.

Hoje, o magistrado ouviu durante cerca de três horas os argumentos da defesa, que propõe a libertação em troca de 40.000 rands (2.187 euros), e do ministério público sul-africano, que se opõe.

O ex-banqueiro João Rendeiro foi preso a 11 de dezembro, num hotel em Durban, na província sul-africana do KwaZulu-Natal, numa operação que resultou da cooperação entre as polícias portuguesa, angolana e sul-africana.

João Rendeiro estava fugido à justiça há três meses e as autoridades portuguesas reclamam agora a sua extradição para cumprir pena em Portugal.

O ex-presidente do extinto Banco Privado Português (BPP) foi condenado em três processos distintos relacionados com o colapso do banco, tendo o tribunal dado como provado que João Rendeiro retirou do banco 13,61 milhões de euros.

O colapso do BPP, em 2010, lesou milhares de clientes e causou perdas de centenas de milhões de euros ao Estado.

Deixe o seu comentário