Hungria 0-3 Portugal: Seleção entra a ganhar

Autor: Horta e Costa | 15 de Junho de 2021

Portugal dominou por completo a primeira parte e criou ocasiões suficientes para chegar ao intervalo a vencer. No entanto, a seleção nacional tem sentido dificuldades para jogar dentro do bloco húngaro, optando quase sempre por atacar pelos corredores laterais.

De realçar que, com este jogo, Cristiano Ronaldo tornou-se no jogador com mais Europeus disputados na história. Além disso, o português chegou ao 39.º jogo em fases finais de Europeus e Mundiais, ultrapassando Bastian Schweinsteiger como o futebolista com mais jogos.

Fernando Santos apostou no 4x4x2 com destaque para as escolhas de William Carvalho e Danilo Pereira, médios com caraterísticas mais defensivas. Nélson Semedo assumiu o lado direito da defesa.

Portugal assumiu rapidamente o controlo do jogo. Logo aos 5 minutos, Diogo Jota fugiu à defesa húngara após passe de Bernardo Silva e rematou para a defesa apertada de Peter Gulacsi. Pouco depois, o extremo do Liverpool voltou a ter nova oportunidade, mas o desvio ao livre de Bruno Fernandes não foi o melhor.

A equipa das quinas continuava a pressionar, mas os húngaros foram conseguindo fechar os espaços e controlar as investidas dos jogadores lusos. Do outro lado, Rui Patrício só foi chamado a intervir aos 37 minutos para segurar um cabeceamento de Ádám Szalai.

Aos 40′ Nélson Semedo tabelou com Bernardo Silva e cruzou para Diogo Jota, que atirou para uma boa defesa de Gulacsi. Logo a seguir, Cristiano Ronaldo surgiu na cara do guarda-redes húngaro, depois de Jota falhar o desvio de calcanhar, mas o remate saiu por cima da baliza.

Sem alterações nas equipas, o jogo reatou com Portugal novamente perto do golo. Pepe surgiu ao segundo poste, após canto de Bruno Fernandes, e cabeceou para uma boa intervenção de Gulacsi. A Hungria respondeu com dois remates enquadrados de Szalai (50′) e Sallai (57′), mas ambos saíram diretos às mãos de Rui Patrício.

Aos 68′ William descobriu Diogo Jota nas costas dos jogadores húngaros, o extremo do Liverpool tocou para Bruno Fernandes, que disparou para a defesa de Gulácsi.

Fernando Santos tirou Bernardo Silva e lançou Rafa, numa altura em que os magiares procuravam explorar o contra-ataque. Aos 80′ Schon colocou a bola na baliza portuguesa, mas estava em posição irregular.

E, de repente, Portugal desfez o nulo com três golos na reta final. Aos 84′ Rafa fugiu pela direita, cruzou contra Attilla Szalai e a bola sobrou para Raphael Guerreiro, que atirou para o fundo das redes, com a bola ainda a desviar em Orbán.

Três minutos depois, Orban agarrou Rafa na área e Cristiano Ronaldo, de grande penalidade, fez história ao tornar-se o melhor marcador da história em fases finais de Europeus. Melhor fim para este jogo era impossível.

Deixe o seu comentário
últimas notícias
Leia também