Marcelo não foi Presidente da República

Publicado por Mtv notícias | Lusa em 23 de Novembro de 2020 | 20:39

Marcelo não foi Presidente da República, foi ministro da propaganda do Governo, afirma o candidato liberal Tiago Gonçalves

O candidato presidencial apoiado pela Iniciativa Liberal, Tiago Mayan Gonçalves, acusa Marcelo Rebelo de Sousa de não ter sido Presidente da República, mas “ministro da propaganda” do Governo socialista, considerando que este colaboracionismo foi “meramente narcisístico” para conseguir a reeleição.

Em entrevista à agência Lusa, cerca de quatro meses depois de ter anunciado a sua candidatura ao Palácio de Belém, apoiada pela Iniciativa Liberal – partido do qual foi fundador e é atualmente presidente do Conselho de Jurisdição – Tiago Mayan Gonçalves não poupa nas críticas ao atual Presidente da República.

“Marcelo não foi presidente. Marcelo foi ministro da propaganda deste Governo e essa é, desde logo, a maior crítica que lhe posso fazer porque isso tem sido continuamente demonstrado”, refere.

Marcando uma clara diferença em relação ao atual chefe de Estado, o candidato liberal afirma que, “independentemente de direitas e esquerdas”, espera que “eleitores que não se revejam neste presidente, que abdicou de exercer o seu mandato”, e vejam na sua candidatura “uma proposta válida e moderada”.

“Eu também sou um candidato contra todo o tipo de extremismos, de qualquer espetro e de qualquer ponta nesse espetro de esquerda/direita”, assegura, respondendo que um bom resultado “é conseguir transmitir o que é que um presidente liberal representa para os portugueses”.

O liberal elenca uma longa lista de situações para sustentar as suas críticas ao atual Presidente da República, começando pela vacina da gripe e passando pela “narrativa do milagre português, a proclamação de jogos de futebol em pleno Palácio de Belém enquanto fechavam canais de voo para o país, o incêndio de Pedrógão, a tragédia das mortes no Lar de Reguengos e Tancos”.

“Tantos, tantos exemplos em que Marcelo, quando age, age para fazer cobertura ou para fazer distrações e permitir que o Governo atue sem controlo e sem que haja regular funcionamento das instituições”, condena.

Para o advogado portuense de 43 anos, esta forma de atuar do atual chefe de Estado é norteada “por um objetivo meramente narcisístico e pessoal de querer a reeleição” nas presidenciais do próximo ano.

“Marcelo o que fez, a partir do primeiro dia em que tomou posse, foi deixar de ser presidente e passar a ser candidato presidencial e a estratégia para isso foi colaborar com o Governo, que era o que estava na altura. Se fosse outro provavelmente faria a mesma coisa”, disse.

Na perspetiva de Tiago Mayan Gonçalves, “a estratégia foi ser colaboracionista com o Governo porque contava com isso garantir uma reeleição”.

“E não só uma reeleição porque eu penso que também estava dentro do sonho dele garantir uma reeleição apoteótica. Aqui a pandemia acabou por lhe causar dificuldades para esse objetivo, mas o objetivo de reeleição ainda o tem e, portanto, isso foi uma estratégia”, justifica.

O anunciado candidato liberal vê outros dos seus concorrentes nestas eleições “a elogiarem o desempenho presidencial de Marcelo, mas a criticarem-lhe o estilo”.

“Eu faço precisamente o contrário. O que eu critico é o desempenho de Marcelo nas suas funções presidenciais. Mas o estilo, de aproximação, de descrispação com as pessoas, acabou por ser importante e é isso que lhe traz tanta popularidade”, considera.

À pergunta de quem é o seu grande adversário nas eleições presidenciais a que concorre, Tiago Mayan Gonçalves não hesita por um segundo: “é Marcelo, claro. É o incumbente e eu creio que ele será candidato – apesar de ainda manter o tabu – e é contra quem eu concorro”.

Sobre o nome apoiado pelo Chega, André Ventura, o liberal observa que “aparentemente não é um candidato presidencial porque raramente fala desse aspeto”, mas deixa claro que representa “valores diametralmente opostos em praticamente tudo”.

Tiago Mayan Gonçalves foi militante do PSD – de onde ainda recebe num email as newsletters, mas que garante que “vão para spam, claro” -, e é eleito suplente pelo Movimento de Rui Moreira à Assembleia da União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde.

Lusa/fim

Deixe o seu comentário

Siga-nos através das redes sociais

últimas
Notícias Relacionadas
Leia também