Médicos do Mundo vendem roupa que foi doada

Em comunicado chegado à nossa redação, Câmara de Pedrógão acusa “Médicos do Mundo” de vender a roupa doada em Castanheira de pêra

Médicos do Mundo
Autor: Vítor Santos | 22 de Fevereiro de 2019

Num comunicado de imprensa enviado à redação da mtv24, a Câmara Municipal de Pedrógão Grande refuta todas as acusações da reportagem da TVI e acusa a instituição “Médicos do Mundo” de venderem a roupa que foi doada por tanta gente.

Fica o comunicado de imprensa chegado à nossa redação:

“A Câmara Municipal de Pedrógão Grande vem repudiar todas as calúnias, mentiras, difamações que foram reportadas pela TVI no dia 21 de Fevereiro. São mentiras preparadas e orquestradas, à semelhança de outras reportadas em programas anteriores da TVI/Ana Leal com o intuito de criar uma boa história.

A TVI/Ana Leal tem um mote: “Não deixe que a verdade estrague uma boa história”. O que tem interessado é o debate estéril, o sensacionalismo, o vender de tempo de antena a todo o custo.

O jornalismo de investigação é um dos mais importantes bastiões da Democracia e está a ser completamente colocado em causa com as reportagens de pretensa investigação a que temos assistido pela jornalista Ana Leal ao abrigo da TVI.

Em nenhuma circunstância qualquer bem foi entregue indevidamente a quem quer que fosse. Nunca qualquer bem foi desviado ou extorquido e muito menos escondido, nem negado a quem dele necessitasse.

Os bens filmados são de Instituições que estão a reconstruir habitações em Pedrógão Grande, Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos. Ao Município de Pedrógão Grande foi unicamente solicitado que armazenasse os bens, até que as Instituições decidam aplicá-los nas habitações por si reconstruídas.

A partir de agora, com esta reportagem, fica irremediavelmente comprometida a segurança destes bens. Este Município vê-se assim obrigado a solicitar junto dos legítimos proprietários dos bens (as Instituições) outro local para a guarda dos mesmos, já que foi denunciada publicamente a sua exata localização, razão pela qual se encontra a máquina pesada como bloqueio à porta de entrada, afim de prevenir qualquer furto.

Os bens em causa, reportados pela TVI, têm a sua gestão e entrega a cargo de Instituições e não da Câmara Municipal, que somente forneceu espaço de armazenamento conforme lhe foi solicitado, razão pela qual a Vice-Presidente refere, e bem, que “nós não temos nenhum eletrodoméstico”.

Relativamente aos Médicos do Mundo, estes solicitaram valores em troca da sua ajuda. Ou seja, seria uma prestação de serviço a troco de dinheiro. E em Castanheira de Pera, esta instituição faz prestação de serviço pago financeiramente e vende a roupa naquela Sede de Concelho, roupa essa que foi doada por tanta gente, algo que nunca este Município fez, fará, pactuou ou pactuará.

A razão pela qual o Presidente e a Vice-Presidente não têm respondido à equipa de Ana Leal reside no facto de as abordagens serem sempre feitas de modo agressivo, invasoras da privacidade e intimidatórias.

Além deste facto extremamente grave, quando foram dadas entrevistas, as mesmas foram editadas e montadas para deturpar a realidade, com o objetivo de denegrir e difamar as pessoas em causa, a Câmara Municipal e os pedroguenses, e não para informar devidamente os telespetadores.

Tudo isto justifica a indisponibilidade de qualquer entrevista a esse canal televisivo e à equipa de Ana Leal.

Por fim, e face a esta contínua difamação e persistência em perseguir e denegrir um conjunto de pessoas, neste caso autarcas, que deram e estão a dar o seu melhor para responder a uma das catástrofes da História de Portugal, é caso para nos interrogarmos se a campanha eleitoral ao nível local, quiçá nacional, não se terá iniciado demasiado cedo…

A Câmara Municipal de Pedrógão Grande, 21 de Fevereiro de 2019″

Leia também