Ministro da Administração Interna recusa diálogo com polícias

Publicado por Vítor Santos em 15 de Novembro de 2019 | 18:33

Ministro da Administração Interna recusa diálogo com “forças sem rosto” nas polícias como o chamado Movimento Zero

O ministro da Administração Interna afirmou hoje que o Governo não dialoga com “forças sem rosto” dentro das forças de segurança como o chamado Movimento Zero, que participará numa manifestação de polícias marcada para dia 21 em Lisboa.

Em declarações aos jornalistas à margem de um exercício de preparação para o risco sísmico numa escola secundária de Oeiras, Eduardo Cabrita afirmou que as reuniões que teve com sindicatos de polícia na quinta-feira não tinha “nenhum objetivo de travar a manifestação”.

As cinco organizações sindicais tiveram a sua primeira reunião com o novo executivo num “novo tempo” iniciado com a aprovação parlamentar unânime do novo estatuto sindical das polícias no fim da legislatura passada, “um diálogo sindical feito com sindicatos legitimados, certamente não será feito com forças sem rosto”, declarou.

Com o lema “tolerância zero”, a manifestação conjunta é organizada pela Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), as estruturas mais representativas da Polícia de Segurança Pública e da Guarda Nacional Republicana.

O Movimento Zero, que já anunciou a sua participação no protesto de 21 de novembro, foi criado através das redes sociais e dele fazem parte agentes da PSP e militares da GNR. Uma das suas ações mais notórias foi um protesto durante a cerimónia de aniversário da PSP, a 12 de julho, em Lisboa, quando os polícias do Movimento Zero vestiram então camisolas brancas e voltaram-se de costas quando o diretor nacional da PSP, Luís Farinha, começou a falar na cerimónia presidida pelo primeiro-ministro, António Costa, mantendo-se nesta posição até ao final do discurso.

Eduardo Cabrita destacou que decorre “o maior volume de investimento nas forças de segurança que jamais existiu”, que inclui “um projeto plurianual de admissões que garanta o rejuvenescimento entre 2020 e 2030″.

No fim da reunião de quinta-feira, o presidente da ASPP/PSP, Paulo Rodrigues, disse aos jornalistas que o ministro garantiu estar “disponível para dialogar e resolver um conjunto de questões” e que, inclusive, “fez algumas programações para discutir algumas matérias” que para os sindicatos “são muito importantes”.

“Está disponível a programar num curto espaço de tempo a debater propostas para a sua resolução, nomeadamente aquelas que estão na base da manifestação conjunta da PSP e GNR agendada para 21 de novembro”, entre as quais a tabela remuneratória, disse Paulo Rodrigues.

Deixe o seu comentário

Siga-nos através das redes sociais

últimas
Leia também