Morreu Art Sullivan

Publicado por Adília Vieira em 27 de Dezembro de 2019 | 22:11

Art Sullivan morreu esta sexta-feira, aos 69 anos, vítima de um cancro no pâncreas. Será para sempre recordado pela cantiga “Petite Demoiselle”

O cantor belga Art Sullivan morreu esta sexta-feira, aos 69 anos, vítima de um cancro no pâncreas. Será para sempre recordado pela cantiga “Petite Demoiselle” e muitas mais, que fizeram dançar várias gerações.

Marc Liénart Van Lidth de Jeude, nome verdadeiro de Sullivan, nasceu a 22 de novembro de 1950, e escreveu canções como “Petite Fille aux Yeux Bleus”, “Ensemble” e “Adieu Sois Heureuse” que se tornaram temas de grande popularidade.

Em 2020, iria celebrar 45 anos de carreira com dez grandes espectáculos.

Os momentos altos do seu percurso artístico aconteceram, sobretudo, durante os anos 70, tendo dominado a rádio em Portugal e atuado no país em diversas ocasiões.

Numa das suas muitas entrevistas em Portugal terá dito: “quando morrer, quero que as minhas cinzas sejam deitadas ao mar, em Cascais. Adoro Portugal, venho cá várias vezes por ano. Não é muito politicamente correto, mas costumo dizer que a Bélgica é o meu amor e Portugal a minha amante”.

O artista atuou em Portugal, pela última vez, em agosto deste ano, nas Caldas da Rainha.

Líder de vendas no início da década de 1970, com canções românticas, numa altura em que a língua inglesa, bandas e cantores como Rolling Stones, Deep Purple, Eagles, Elton John, Alice Cooper, Roberta Flack, Gilbert O’Sullivan e Don McLean mobilizavam atenções, Art Sullivan afirmou-se na cena musical internacional desde a edição do seu primeiro disco, “Ensemble”, em 1972.

Nos anos seguintes, manteve o seu lugar na primeira linha, com canções como as acima referidas “Petite Demoiselle”, “Petite fille aux yeux bleus”, “Adieu sois heureuse”, mas também “Une larme d’amour” e “Donne Donne moi”, somando mais de dez milhões de discos vendidos.

O adeus aos palcos e um desejo para os mais novos

O músico abandonaria os palcos em 1978, para privilegiar a produção audiovisual, embora regressasse pontualmente às canções. Assinou séries documentais sobre cidades belgas e famílias reais europeias.

No início dos anos 2000 surgiram algumas reedições dos seus êxitos, em compilações de CD como “Cette Fille La” e, em 2014, publicou a sua biografia, “Art Sullivan: Drole de Vie en Chansons”, escrita por Dominique de York.

A carreira de Art Sullivan contou com o trabalho do produtor Jacques Verdonck, que estabeleceu os parâmetros e o “sucesso atípico” do seu percurso, como escreve a estação RTBF.

Em 2010, numa entrevista à Lusa, quando lançou um álbum comemorativo de 35 anos de carreira, o criador de “C’est la vie, c’est joli” disse que deixou de cantar em 1978, por considerar “que não havia lugar” para a música que fazia.

Sobre as suas canções, disse esperar que os mais novos as descobrissem e os mais velhos as recordassem.

O músico sublinhou que “a música se faz de emoções e sonho” e destacou a internet como “uma grande revolução da música”.

Sobre a música em francês, da época, Art Sullivan considerou-a “uma catástrofe”. “Agora é o domínio do inglês”, reconheceu.

O músico referiu ainda que “o império da língua inglesa obriga que outros cantores, franceses, portugueses ou dinamarqueses, por exemplo, tenham de cantar em inglês para se internacionalizar”.

“É uma grande pobreza cultural, é mesmo uma catástrofe, é como termos todos de ir comer ao McDonald’s seja em Bruxelas, Madrid ou Lisboa”, acrescentou Art Sullivan.

Deixe o seu comentário

Siga-nos através das redes sociais

últimas
Leia também