Negócio das barragens: alguém ganhou o Euro milhões

O jornalista José Gomes Ferreira considera que no negócio das barragens, alguém ganhou o Euro milhões. Estamos numa Venezuela da Europa

Autor: MTV Redação | 14 de Junho de 2021

Barragens da EDP. “Isto tresanda a corrupção. Se nada acontecer, estamos numa Venezuela na Europa” afirma Gomes Ferreira – E NADA ACONTECEU!

O ministro das Finanças, João Leão, e o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, foram ouvidos, recentemente, no Parlamento por causa da venda das barragens pela EDP à francesa Engie. Nesse mesmo dia, na Edição da Tarde, da SIC Notícias, José Gomes Ferreira, jornalista e diretor-adjunto, divulgou as conclusões do parecer negativo elaborado pelos técnicos da Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

“Em conclusão, considera-se não estarem reunidas as condições para autorizar a transmissão destes aproveitamentos hidroelétricos (…) face ao estado de implementação das medidas ambientais, sendo que os três aproveitamentos do Douro internacional estão associados a processos judiciais em curso, face às normas legais que permitiram à outorga dos contratos em vigor e ao valor definido para o equilíbrio económico e financeiro na sequência da prorrogação dos prazos”, pode ler-se nas conclusões do documento.

Segundo explica o jornalista, este documento, que indica um conjunto de razões que para que não se realize a transferência da concessão das barragens, foi ignorado pelo presidente da APA e pelo ministro do Ambiente. José Gomes Ferreira destaca a existência de “processos judiciais em curso” e avança que os técnicos colocam “em causa o valor da transmissão das barragens”.

Isto tresanda tudo a corrupção

“Isto tresanda tudo a corrupção, não há outra maneira de dizer isto”, afirma o jornalista. “Quem escreveu isto sabe perfeitamente que está aqui um euromilhões para alguém. Quem é que recebeu o dinheiro? Foi a EDP. Quem é que fez o negócio? Os parceiros da Engie. Onde é que eles estão? Também no negócio do hidrogénio.”

Para José Gomes Ferreira, este caso tem de ter consequências políticas: “das duas uma, ou cai o presidente da APA, ou cai o próprio ministro [do Ambiente] ou secretário de Estado”. “Se não acontecer nada, estamos num país que é uma Venezuela na Europa”, sublinha.

“Algum empresário que faça um trespasse de uma concessão, por mais pequena que seja, de interesse público, cai-lhe o Estado em cima, exige-lhe tudo e mais alguma coisa e obriga-o a pagar tudo. E este grande grupo económico faz isto nas costas dos portugueses e ninguém tira ilações?”, questiona ainda o jornalista.

Caso EDP: Governo ignorou parecer negativo da Agência Portuguesa do Ambiente

A economia e a sociedade portuguesas estão há mais de 40 anos capturadas pelos mesmos interesses de sempre. Não tanto os do capital, mas os de quem pode mexer no dinheiro ou nas regras do jogo. Aquele poder que está nas grandes empresas e no bloco central dos partidos.

 Às vezes, dá vontade de fazer um desenho para que se perceba que míticos potentados como a PT, a EDP, o BES, a REN ou a TAP, sempre receberam tratamento de privilégio. Que foi tão grande quanto a dimensão das perdas que estas empresas, outrora públicas ou com golden share, provocaram à Fazenda Pública e aos contribuintes.

Fica o vídeo:

[su_youtube url=”https://youtu.be/ijMivIW5GE4″ width=”840″ height=”420″]

Texto: Maria – https://www.youtube.com/channel/UCakSi4_ei0aVffdQ4GzdYuA

Leia também