aeroporto alverca, , , , , " />
últimas

Novo Aeroporto: Santana aponta para Alverca

Publicado por Vítor Santos em 9 de Abril de 2019 | 21:04

Aeroporto em Alverca: Santana Lopes diz que esta seria a alternativa “mais lógica e racional”, frisando que nunca é tarde para voltar atrás

Santana Lopes - Alianaça

Siga-nos através do Facebook

Líder do Aliança apresenta solução para a instalação do novo aeroprto em Alverca. Santana Lopes diz que esta seria a  alternativa “mais lógica e racional”, frisando que nunca é tarde para voltar atrás.

O presidente do Aliança, Pedro Santana Lopes, apontou esta terça-feira razões de “acesso”, “segurança” ou de “rapidez” para que o novo aeroporto passe do Montijo para Alverca, fazendo o “apelo” ao Governo para que siga pela “solução mais lógica e mais racional”.

Desde logo, aponta Santana Lopes, “90% das origens e destinos” dos passageiros de Lisboa, considerando ser um “número significativo”. Tendo em conta que Alverca fica na mesma margem que Lisboa é a “solução certa, do lado certo”, defende o líder do Aliança.

O fundador do novo partido e ex-lider do PSD defende ainda que a solução de Alverca é “mais valiosa” porque seria possível “aproveitar a linha ferroviária que já existe, com ligação nacional e internacional”, sendo este um “ativo inestimável” Além disso, a ligação de transportes a Alverca seria “mais rápida” face ao Montijo, que exige um investimento para o reforço “de barcos ou para a construção de uma nova ponte”. E de acordo com o projeto apresentado pelo Aliança, que contou com a participação de José Furtado, ex-bastonário da Ordem dos Engenheiros, em Alverca é possível aumentar a “capacidade de tráfego aéreo muito superior à solução do Montijo” havendo ainda a “possibilidade de gestão unitária” dos dois complexos aeroportuários: o de Humberto Delgado e o da Portela.

Por fim, remata Santana Lopes, a opção por Alverca traduz “mais segurança, com menos voos a sobrevoar zonas povoadas”.

Todos estes argumentos revelam que “não há nenhuma razão que faça do Montijo uma solução preferível a Alverca”, vinca Santana Lopes.

O ex-social-democrata tem sido uma das vozes críticas à opção do Governo em apostar num novo aeroporto no Montijo, cuja abertura está prevista para 2022.  Ontem – no dia em que se assinalou três meses da assinatura do acordo entre o Governo e a ANA – Aeroportos para a instalação do novo aeroporto no Montijo – Pedro Santana Lopes convidou os jornalistas a sobrevoar a pista de Alverca, que é hoje gerida pela empresa OGMA – Indústria Aeronáutica de Portugal, onde é feita a manutenção de aeronaves, que tem como acionistas a Embraer e o Governo. Foi então que, em conferência de imprensa, o líder do Aliança apresentou os argumentos que o levam a defender Alverca como “a melhor solução para a estratégia de Portugal”.

No entanto, Santana Lopes diz que ainda não conversou com o Governo sobre o assunto nem apresentou o estudo do Aliança, frisando que a iniciativa é um “apelo” e não “uma proposta de disputa política”.

E mesmo depois da assinatura do acordo para a instalação do aeroporto no Montijo, Santana Lopes continua a defender que “faz sentido” discutir o assunto e “esperar seis meses para termos a melhor opção para décadas”. Até porque, “o que está em causa é tomarmos a melhor opção” e a que “facilite a vida dos portugueses”, acrescentou o líder do Aliança que entende que “nunca é tarde para voltar atrás e fazer a melhor solução”.

Além disso, lembra Santana Lopes, o resultado do estudo de impacte ambiental da nova infraestrutura no Montijo ainda não é conhecido.

A par de Santana Lopes, também os autarcas do concelho de Vila Franca de Xira insistem que Alverca seria a melhor solução para acolher o novo aeroporto.

Nova pista

Para que fosse instalado o novo aeroporto na Portela, seria necessária a construção de uma nova pista, que ficaria paralela àquela que hoje existe, de acordo com o plano apresentado ontem pelo Aliança. As duas pistas ficariam independentes e permitiriam ao aeroporto ter uma capacidade de 90 a 95 movimentos de aviões por hora.

A ligação entre o aeroporto de Alverca ao Humberto Delgado seria através de um shuttle (mini comboio de superfície), semelhante ao que existe no aeroporto de Gatwick, em Londres, sendo esta a referência em termos de eficiência operacional. Desta forma, com a proximidade entre Alverca e o aeroporto Humberto Delgado, seria possível praticamente fundir os dois aeroportos.

Com o posicionamento das pistas em paralelo, o partido diz que, desta forma, ficaria ultrapassado o obstáculo que levou a que Alverca ficasse fora do leque de possibilidades para acolher o novo aeroporto: a orientação intersetar entre a pista de Alverca e a de Humberto Delgado.

Todo este plano, diz o Aliança, “é uma solução nunca avaliada” sendo “muito competitiva” na relação custo-benefício. Segundo as contas do partido, o investimento necessário para o aeroporto em Portela ronda os 1.150 milhões de euros. Um valor “semelhante” ao custo estimado para a instalação do aeroporto no Montijo, argumenta Santana Lopes.

Aeroporto de Monte Real

Em junho do ano passado, ainda no PSD, Pedro Santana Lopes juntou-se aos autarcas e empresários da região centro do país para defender a abertura do aeroporto militar de Monte Real à aviação civil.

Na altura, Santana Lopes lembrou que apostar no aeroporto em Monte Real seria um sinal de “coesão territorial”, recordando que quando foi primeiro-ministro, “no final de uma campanha” optou por viajar de ‘Falcon’ até aquele aeroporto.   Em Leiria, o agora líder do Aliança alertou que a abertura de Monte Real à aviação civil iria trazer “muito maior desenvolvimento económico” à região defendendo que “as 600 mil dormidas no centro do país chegam para assegurar o equilíbrio do aeroporto”, afirmou Pedro Santana Lopes.


Deixe o seu comentário

Leia também

Notícias relacionadas
Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE