corrupção autarquias, , , , , " />
últimas

Pagam seguros e multas de tratores que não têm

Publicado por Vítor Santos em 1 de Fevereiro de 2019 | 15:41

“Ana Leal – TVI”: Tratores à espera de serem entregues a agricultores a quem o fogo tirou tudo. Pagam seguras e multas mas nunca viram os tratores

Tratores de Oliveira do Hospital

Siga-nos através do Facebook

Há quem já tenha os livretes nas mãos. Há quem esteja já a pagar seguro destes veículos agrícolas e até há quem já tenha pago multas por excesso de velocidade de tratores que estão prontos a ser entregues, mas continuam parados nos armazéns da Câmara de Oliveira do Hospital.

Foram comprados há cerca de um ano, pela Cáritas, com o dinheiro de milhares de portugueses que contribuíram, com aquilo que puderam, para ajudar as vítimas dos incêndios de outubro de 2017. Mas há tratores agrícolas parados há meses num estaleiro da Câmara de Oliveira do Hospital.

Já tenho o livrete desde setembro, não há meio de os entregar”, diz Serafim Henriques à reportagem da TVI.

Nunca foram entregues e ninguém sabe porquê. Tratores que fazem falta a quem perdeu tudo e que insiste na agricultura e que tem de recomeçar do zero.

António Rodrigues tem 61 anos e mora em Avô, uma aldeia de Oliveira do Hospital que esteve cercada pelo fogo. Em outubro de 2017, perdeu as hortas, os pastos e os pomares, os armazéns, as cabras e as ovelhas. Desapareceram as alfaias, os reboques, os tratores…ficou sem nada. Foi-lhe prometido um trator. O trator com a matrícula 99-UF-23 já está registado em seu nome desde fevereiro do ano passado. Há quase um ano.

António Rodrigues não tem trator, mas, para pasmo de todos, já recebeu em casa uma multa para pagar por excesso de velocidade.

Serafim Henriques não tem nenhuma multa, mas paga todos os meses o seguro de um trator que é seu, mas que nunca viu.

Dinheiro dos donativos nunca foi movimentado

Em 2017, depois de Pedrógão Grande, em meados de outubro, o fogo voltou a matar: 50 pessoas perderam a vida na região Centro, 13 das quais no concelho de Oliveira do Hospital.

Portugal uniu-se em volta da dor desta gente e muitos dispuseram-se a ajudar. Um ano e quatro meses depois do fogo, a conta solidária de apoio às vítimas dos incêndios criada pela Câmara de Oliveira do Hospital tem um saldo superior a 72 mil euros, dados pelos portugueses para acudir quem ficou sem nada.

A TVI sabe que a conta solidária de Oliveira do Hospital nunca foi movimentada. Ao longo de mais de um ano, nunca saiu daqui um cêntimo para ajudar quem quer que fosse.

António perdeu tudo o que tinha, recebeu do Estado menos de dois mil euros. Hoje não tem dinheiro nem para comprar as ferramentas agrícolas mais básicas. Foi várias vezes pedir ajuda à Câmara de Oliveira do Hospital. Garante que nunca lhe deram nada.

Mas Oliveira do Hospital não é a única autarquia que mantem intacto o dinheiro da conta solidária. Em Seia, acontece exatamente a mesma coisa. Aqui, existem mais de 17 mil euros que também nunca foram usados.

Filomena Catarino é criadora de gado. A muito custo, conseguiu salvar o rebanho das chamas no dia 16 de outubro. Nunca recebeu um cêntimo do Estado, nenhum apoio da Câmara de Seia. Valeu-lhe a Cáritas de Coimbra, que lhe comprou ferramentas e lhe reconstruiu um barracão.

Filomena nem sabia que Seia tinha conta solidária. Aliás, muita gente queixa-se de nunca ter visto a cor desse dinheiro.

Fica a reportagem em vídeo da TVI:


Deixe o seu comentário

Leia também

Notícias relacionadas
Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE