Partido não é albergue espanhol onde cabe tudo, diz Rio

Rui Rio avisa que um partido não é um albergue espanhol onde cabe tudo e lamentou que a lealdade pareça ser um bem escasso

Rui Rio
Autor: Mtv notícias | Lusa | 11 de Novembro de 2018

O líder do PSD, Rui Rio, avisou hoje que um partido político “não é um albergue espanhol onde cabe tudo” e lamentou que a lealdade pareça ser um “bem escasso”, relembrando que a génese do PSD são os trabalhadores.

“Um partido político, como eu costumo dizer, não é um albergue espanhol onde cabe tudo. Num partido político cabem aqueles que se identificam com os nossos valores e com os nossos princípios e por isso é que há partidos distintos, com visões distintas”, declarou Rui Rio, durante o seu discurso de encerramento no XIV Congresso Nacional de Trabalhadores Social-Democratas (TSD), na Póvoa do Varzim.

Na sua intervenção, que se prolongou por cerca de 40 minutos, Rio declarou que as pessoas devem militar no partido com que mais se identifiquem, sublinhando que no Partido Social Democrata “não são liberais, nem são socialistas” e que “direitos dos trabalhadores têm de ser sempre respeitados.

“O capital é importante, mas o trabalho também é. O capital é importante, mas tem de ter regras, mas os direitos dos trabalhadores têm de ser sempre respeitados (…), porque o trabalho tem de ser motivo de libertação, de realização e de felicidade para as pessoas”, afirmava.

Durante o seu discurso, onde fez questão de saudar “o amigo” e “companheiro” Aires Pereira, presidente da Câmara da Póvoa de Varzim, o líder do PSD fez questão de avisar que o que ia dizer a seguir podia levar a muitas críticas, mas fez questão de partilhar uma “convicção”.

“Não sei se vão todos concordar, mas é da minha convicção mais profunda. Aquilo que para mim é claro é que não é justo quando um administrador ganha 30 vezes mais que o salário médio da empresa que administra. Quando uma empresa progride e pode e deve pagar melhores salários, esses salários têm de ser distribuídos com equidade e com justiça por todos os trabalhadores e não como nós vemos nalgumas empresas em que os lugares de topo e a administração ganham muitíssimo mais do que aquilo que é o salário médio dessa empresa”, comentou.

Ainda durante o seu discurso, Rio fez questão de testemunhar a “lealdade” de Pedro Roque, reeleito hoje naquele congresso, secretário-geral dos Trabalhadores Social-Democratas, reconhecendo que se trata de um elogio para destacar o que parece ser “bem bastante escasso”.

“O meu testemunho que venho deixar é que a lealdade do Pedro Roque (…) está sempre presente. E isto não devia ser um elogio, mas nos dias que correm temos de elogiar a lealdade, porque é um bem que parece bastante escasso”.

Na primeira ocasião em que esteve presente no Congresso Nacional de Trabalhadores Social-Democratas (TSD) como presidente do PSD, Rui Rio deixou também uma saudação especial “a todos os militantes dos TSD”, e a “todos os trabalhadores portugueses”, porque, disse, “são os primeiros obreiros da riqueza nacional”.

“A génese do Partido Social-Democrata está justamente nos trabalhadores. Eu tenho vindo ao longo destes meses a referenciar a minha preocupação com aquilo que é o afastamento dos partidos e a sociedade”, declarou, assumindo que tem tentando fazer essa “reaproximação”.

Deixe o seu comentário
Leia também