Pinhal de Leiria: Madeira ardida vendida na China

Publicado por Vítor Santos em 31 de Agosto de 2020 | 20:51

A madeira queimada no incêndio do Pinhal de Leiria em 2017, está quase toda vendida e boa parte foi exportada para o mercado chinês

Pinhal de Leiria. Madeira ardida nos incêndios de 2017 vendida na China. A notícia é avançada esta segunda-feira pelo Jornal de Notícias (JN), que contactou a associação que representa as empresas do setor.

Segundo aquela fonte, a matéria-prima que podia servir as indústrias de transformação nacionais acabou por sair para a China, um mercado menos exigente em termos de provas de vida e de qualidade do pinho.

O jornal adianta de que já no rescaldo dos incêndios em outubro de 2017 — altura em que era urgente cortar os pinheiros ardidos para que fosse aproveitada a sua qualidade — os madeireiros reuniram com negociantes estrangeiros, averiguando a possibilidade de vender a madeira queimada para o mercado internacional

Explica ainda o JN que foram criados 33 parques de madeira queimada para receber um milhão de toneladas. Porém, estes apenas registaram 158.318 toneladas, com direito a apoio estatal, segundo dados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) — que diz desconhecer o destino final da madeira.

A Mata Nacional de Leiria, também conhecida por Pinhal de Leiria e Pinhal do Rei, é propriedade do Estado. Tem 11.062 hectares e ocupa dois terços do concelho da Marinha Grande. A principal espécie é o pinheiro bravo.

No incêndio de 15 de outubro de 2017 arderam 9.480 hectares de área, equivalente a 54% do território do concelho e 86% da Mata Nacional de Leiria.

Deixe o seu comentário

Siga-nos através das redes sociais

últimas
Notícias Relacionadas
Leia também