Primo de Sócrates terá 200 milhões escondidos na Suíça

José Paulo Bernardo Pinto de Sousa, primo do ex-primeiro ministro José Sócrates e arguido da Operação Marquês, terá um património escondido entre 200 e 300 milhões de euros. O montante estará explicito num documento do banco suíço UBS sobre uma offshore controlada por Pinto de Sousa, segundo noticia este sábado o Correio da Manhã. Pinto […]

Autor: Vítor Santos | 26 de Maio de 2018

José Paulo Bernardo Pinto de Sousa, primo do ex-primeiro ministro José Sócrates e arguido da Operação Marquês, terá um património escondido entre 200 e 300 milhões de euros. O montante estará explicito num documento do banco suíço UBS sobre uma offshore controlada por Pinto de Sousa, segundo noticia este sábado o Correio da Manhã.

Pinto de Sousa, que é suspeito de ser um testa de ferro de Sócrates, é o último beneficiário de uma conta bancária da sociedade offshore Benguela Foundation. O documento da UBS, que se inclui na documentação sobre as contas bancárias mais relevantes utilizadas pelos arguidos da Operação Marquês, terá sido enviada pelas autoridades da Suíça ao Ministério Público, de acordo com o jornal.

No campo relativo à “fortuna total/composição” refere-se que “a família investe cerca de 100 milhões de euros em Angola (escritórios, hotéis, etc.)” e que a “riqueza familiar é aproximadamente de 200 a 300 milhões de euros.” O documento da UBS data de 10 de maio de 2016 e está classificado de “estritamente confidencial”, acrescentou o Correio da Manhã.

Deixe o seu comentário