Setúbal: PS não quer que se saiba a verdade

Montenegro acusa PS de não querer que se saiba a verdade toda sobre caso de Setúbal ‘chumbo’ da audição parlamentar deste autarca

Luís Montenegro
Autor: Vítor Santos | 8 de Maio de 2022

O candidato à liderança do PSD acusou hoje o PS de “não querer que se saiba a verdade toda” sobre o que aconteceu no acolhimento aos refugiados ucranianos em Setúbal, depois do ‘chumbo’ da audição parlamentar deste autarca.

À margem da apresentação dos seus mandatários para a juventude, Luís Montenegro disse ter ouvido a caminho da iniciativa de campanha em Caxias (Lisboa) que o PS tinha recusado a audição parlamentar do presidente da Câmara de Setúbal.

“Fez mal, não queremos escrutinar no parlamento decisões autárquicas, mas queremos escrutinar no parlamento o que uma autarquia faz em relação aos serviços que o Governo tutela”, afirmou.

O antigo líder parlamentar afirmou que “o PS parece que não quer que se saiba a verdade toda sobre o que aconteceu em Setúbal a propósito da recolha e do eventual tratamento de dados pessoais de refugiados e das suas famílias”.

O PS justificou hoje o chumbo da audição parlamentar do presidente da Câmara de Setúbal sobre o acolhimento de refugiados ucranianos com a “separação de competências” entre Assembleia da República e autarquias, mas não convenceu os partidos da oposição.

Na Comissão de Assuntos Constitucionais, a maioria dos partidos da oposição contestou o argumento invocado pelo PS para rejeitar a audição de André Martins, recordando que o caso da audição de Fernando Medina, quando era presidente da Câmara de Lisboa, sobre o caso da partilha de dados pessoais de ativistas russos contestatários do regime de Moscovo com a embaixada da Rússia em Portugal.

O parlamento aprovou hoje a audição do ministro da Administração Interna, José Luís Carneiro, e da ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, sobre o acolhimento de refugiados ucranianos naquele município.

Além destas entidades, foram aprovadas por unanimidade as audições da Associação de Ucranianos em Portugal, da Alta-Comissária para as Migrações, da Secretária de Estado da Igualdade e das Migrações e do Secretário-geral do Sistema de Segurança Interna.

Rejeitados, com o voto contra do PS, acabaram os requerimentos para ouvir a Embaixadora da Ucrânia, da secretária-geral do Sistema de Informações da República e do diretor nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

O semanário Expresso noticiou no passado dia 29 de abril que refugiados ucranianos foram recebidos na Câmara de Setúbal por russos simpatizantes do regime de Vladimir Putin e que responsáveis pela Linha de Apoio aos Refugiados estão a fotocopiar documentos dos refugiados, entre os quais passaportes e certidões das crianças.

Deixe o seu comentário