Toma aspirina? Cuidado, pode ser perigoso

Toma aspirina apenas para prevenir doenças cardíacas? Cuidado! De acordo com as recomendações das autoridades de saúde, pode ser perigoso

Autor: Adília Vieira | 5 de Junho de 2020

Um novo estudo revela que as pessoas saudáveis, sem problemas de saúde associados, não devem tomar aspirina apenas como prevenção de possíveis doenças cardíacas, de acordo com as recomendações das autoridades de saúde citadas pela ‘CNN’.

O estudo, publicado na quarta-feira no ‘British Journal of Clinical Pharmacology’, não vê benefícios suficientes da toma do medicamento para a melhoria da saúde cardiovascular, que compensem os malefícios. Isto porque foi descoberta a possibilidade de uma hemorragia, em consequência do efeito do fármaco no sangue.

As orientações dos EUA, que aconselhavam a toma de uma dose diária de aspirina, alteraram-se no ano passado, com o ‘American College of Cardiology’ e a ‘American Heart Association’ a recomendar o uso do medicamento, apenas nos pacientes com doenças cardíacas associadas, ou que já tivessem sofrido ataques cardíacos. O Reino Unido tem uma posição semelhante.

Esta análise mais recente, com base em 67 estudos, descobriu que a toma de doses baixas de aspirina em pessoas saudáveis, faz com que os pacientes tenham menos 17% de probabilidade de sofrer problemas cardiovasculares. Contudo, os resultados mostram ainda que o fármaco aumenta em 47% o risco de hemorragia gastrointestinal e em 34% o risco de hemorragia cerebral.

«O nosso artigo confirma que não há evidências que justifiquem a toma da aspirina na prevenção primária (de doenças cardíacas), ou seja, em pessoas saudáveis», escrevem os autores do estudo, Lee Smith, especialista em Atividade Física e Saúde Pública da Universidade Anglia Ruskin, no Reino Unido, e Nicola Veronese, especialista em geriatria, da Universidade de Palermo, em Itália, citados pela ‘CNN’.

Os especialistas acrescentam ainda: «A mensagem que queremos transmitir é que uma baixa dose de aspirina apenas é aconselhável, quando a pessoa já tem problemas cardíacos associados. No entanto, é importante falar com o seu próprio médico, antes de fazer quaisquer alterações à toma dos medicamentos».

Dada a variedade de procedimentos médicos atualmente disponíveis para prevenir doenças cardiovasculares, nomeadamente estatinas (usadas na prevenção aterosclerose), medicamentos para a tensão arterial, deixar de fumar e perder peso, os resultados da pesquisa questionaram assim o uso da aspirina como fármaco preventivo.

Leia também