Tranquilizem-se o Orçamento de Estado vai passar

Tranquilizem-se todos aqueles que vivem à custa do trabalho dos portugueses. Apesar do circo montado, Orçamento de Estado vai passar

Parlamento
Autor: Vítor Santos | 17 de Outubro de 2021

O Orçamento de Estado de Estado vai passar porque o Governo vai acatar todas as exigências do Bloco e PCP pelo simples facto de, se o não fizer, colocar no desemprego os centenas de “boys” socialistas já em funções para gerir os milhões da “basuca europeia”.

O Orçamento de Estado vai passar! Mesmo que, hipoteticamente, o Governo não ceda às exigências da “esquerda caviar”. Esta, no momento atual, nunca chumbará o Orçamento porque corre sérios riscos de, nas próximas legislativas, ser banida do parlamento.

Apesar de continuar em São Bento até 2023, o governo socialista na realidade acabou. Já está em agonia e a partir de agora vai provocar muitos danos aos portugueses, tendo como principal aliado um Presidente da República que devia ser o garante do funcionamento das instituições democráticas, afinal, não passa de um cata-vento, de um lunático cuja ação, conivente, dirige este país para a nova Venezuela da Europa.

Já que falo na “basuca europeia”, sabe-se que o Governo já recebeu, em junho último, 800 milhões de euros. Alguém sabe onde estão, para onde foram ou para onde vão?

Voltado ao Orçamento de Estado que será aprovado a 25 de Novembro próximo, o ministro das Finanças não teve em linha de conta a subida do preço do petróleo ou o agravamento dos juros da dívida. Esquece-se que para os países mais endividados, como é o caso de Portugal, a sensibilidade da taxa de juro é particularmente relevante na medida em que pequenas alterações poderão traduzir-se em grandes consequências. A subida de 1 ponto percentual dos juros custará mais 344 milhões.

Portugal vai tropeçar outra vez na dívida pública. Desde 2016 que o país vive uma fantasia. Perante a dura realidade, Marcelo e o PS vão ter de se contorcer para não tropeçarem connosco e ai já será demasiado tarde.

Através dos imposto diretos e, sobretudo indiretos, vamos continuar a ser extorquidos. As pequenas e médias empresas que estão a inovar podem vir a emigrar quando se tornarem grandes e tiverem de pagar uma das taxas de IRC mais altas do mundo.

Vamos continuar a ver o socialismo a entrar-nos pela porta dentro numa total abolição da família. A escolaridade obrigatória a partir dos 3 anos vai no sentido de procurar a fabricação de cidadãos uniformizados, eliminando a diferença, a diversidade, o pluralismo e a iniciativa familiar e pessoal.

Desde a saúde à domesticação das Ordens das profissões liberais, o trio partidário que nos governa não tem feito outra coisa se não estatizar e burocratizar todas as atividades em que põe a mão.

A inversão do declínio em Portugal depende da capacidade de as oposições substituírem esta maioria parlamentar por uma outra maioria, disposta a acreditar na sociedade civil e a libertá-la.

A mensagem de Cavaco é clara para os opositores a Rui Rio: unam-se para ganharem o PSD porque há condições para derrotar os socialistas em 2023. Tudo depende de Rangel, Montenegro e Moreira da Silva.

Leia também